A Serva Patroa tem a proposta de prender o espectador através de tramas engenhosas e de uma linguagem teatral cômica, inspirada na comédia popular italiana, conhecida como Commedia dell’Arte, uma manifestação teatral que se desenvolveu na Itália e em alguns países europeus durante os séculos XV e XVIII.

Naquela época, trupes de artistas nômades que percorriam feiras, praças públicas e até palácios com apresentações de caráter cômico popular.
Para resolver estes duas necessidades do espetáculo fizemos a  junção de dois elementos que nos interessaram durante o processo de pesquisa:

1- A Tradição nômade dos grupos de teatro conhecida como Commedia dell’Arte, suas apresentações eram feitas pelas ruas e praças públicas. Ao chegarem à cidade pediam permissão para se apresentar, em suas carroças ou em pequenos palcos improvisados. As companhias de commedia dell’arte eram itinerantes e possuíam uma estrutura de esquema familiar. Seguiam apenas um roteiro, que se denominava “canovaccio”, mas possuindo total liberdade de criação. 

2- O universo dos livros chamados de pop-up ou 3D, são publicações que possuem um elaborado sistema de montagens de páginas em papelão com várias camadas articuladas que possibilitam ao movimentar elas que se gerem surpreendentes objetos em 3 dimensões a partir de páginas em 2D.

A junção das característica do palco serem carroças e a morfologia dos pop-ups nos permitiu criar uma cenografia muito enxuta que pode criar várias cenas a partir de um objeto-carro único que se desdobra em diferentes ambientes como se fossem folhas de um livro em 3 dimensões.


Ficha técnica:

Elenco: Natália Kronig, Beto Souza, Lui Seixas
Músico convidado: Rui Barossi
Direção Cênica: Elisa Rossin
Adaptação do texto: Thiago Mori
Direção Artística: Livia Sabag
Cenografia: La Taintota
Direção de produção: Cléia Mangueira
Produção executiva: Florent Reard