Pensar o espaço através de layers, camadas e sensações, singulares de cada cena. O elemento luz é um revelador destes layers. Utilizado de maneira complementar propõe um diálogo entre projeções de conteúdos digitais, com video mapping e a arquitetura. Criamos situações híbridas, entre o matérico e o digital construído. 

Para a cena 1 do Ato I, revisitamos um conceito clássico, onde o espaço era uma ilustração pictórica estática. A proposta foi animar através do mapping as faixas do salão do palácio. Tem um momento escultórico e sombrio para a cena 2 na casa do Rigoletto, a luz projetada analogicamente, revela a trama dessa "jaula" onde sua filha Gilda é resguardada. Dobras e um espelho ao fundo, compõe dois biombos, que procuram trazer uma sensação labiríntica de desencontro no Ato II. 

Esses painéis tensionados pelas diagonais, também funcionam como telas receptoras das sombras dos personagens. No Ato final, a própria arquitetura se desdobra em planos, como em um leque, criando uma espacialidade que compõe com a virtualidade das projeções, revelando a concepção cenográfica do projeto. 


Ficha técnica

Montagem no Theatro São Pedro

Regência: Roberto Duarte
Direção Cênica: Lívia Sabag
Cenário: La Tintota
Figurino: Cássio Brasil
Projeções:  Zoomb 
Iluminação: Fábio Retti
Fotos: Adriano Escanhuela